Páginas

Translate

quarta-feira, 27 de março de 2013

Akhenaton - I



Akhenaton é um dos faraós mais falados da história do Antigo Egipto.
A partir do momento em que a sua existência foi (re)descoberta, no final do século XIX, e dependendo da formação e crenças dos que por ele se têm interessado, Akhenaton foi vilipendiado e enaltecido, continuando a ser o móbil para discussões apaixonadas. Sobre Akhenaton considerou-se que foi…
…um profundo, mas sincero, místico, precursor do monoteísmo (Arthur Weigall e James Henry Breasted),
…um ser fisicamente frágil e de formas efeminadas (Alexandre Moret),
… um prisioneiro castrado que as tropas egípcias haviam trazido do Sudão e que se tornara um rei herético (August Mariette),
… uma mulher tentando fazer-se passar por homem (Lefébure),
… um humanista (WMF Petrie),
… um reformador excessivamente zeloso mas distanciado da realidade (Adolf Erman),
… um rei racional (Rudolf Anthes),
… um degenerado  excêntrico, poeta de inteligência débil,  iconoclasta e ditador (Donald B. Redford),
… um reformador religioso que feriu a sociedade com o seu fracasso (Jan Assmann e Claude Traunecker),
… um filósofo (James P. Allen),
… um falso profeta (Nicholas Reeves),
… um adolescente problemático e descontente ( Marc Gabolde),
 um pragmático (John Darnell e Colleen Manassa).
E estas são, tão-somente, as considerações de alguns egiptólogos, que acederam a fontes e traçam um retrato do seu hipotético perfil.
A Akhenaton voltaremos, novamente, em breve, partilhando a nossa própria visão sobre o que terá sido a sua vida.
Enviar um comentário