Páginas

Translate

sexta-feira, 22 de março de 2013

Tell el Amarna - As estelas fronteiriças



O espaço de desenvolvimento e crescimento de Akhetaton foi delimitado por estelas, cravadas nos rochedos, hoje conhecidas como estelas fronteiriças. O perímetro que delimitavam era sagrado, pertencia a Aton e aos seus fiéis seguidores. O próprio Akhenaton havia jurado nunca o ultrapassar. Mas Akhenaton morreu e, como sabemos, a sua amada Akhetaton depressa foi abandonada e esquecida.
Em 1714, Claude Sicard, um jesuíta francês, encontra uma das estelas fronteiriças e Akhetaton pode iniciar o seu regresso à luz do sol, com todos os avanços e recuos que se mantêm até hoje, nas escavações e investigações.
O que nos move hoje, ao escrever este post, é tão somente a curiosidade que estas estelas nos despertaram e, assim sendo, é sobre elas que nos debruçaremos com um conhecimento que desejamos aprofundar, ainda que tenha sido muito difícil encontrar informação sobre o tema (a este propósito destacamos o site Amarna Project - http://www.amarnaproject.com/ - onde é possível aceder a informação de interesse).
As estelas descobertas (classificadas de A a X) são genericamente compostas por texto horizontal (hieróglifos) e rematadas, no topo, em forma semicircular. Ilustram a família real em rituais votivos ao deus Aton. Algumas são ladeadas por esculturas de Akhenaton e Nefertiti, talhadas na própria rocha.
As estelas contem proclamações de Akhenaton, feitas nos anos quinto, sexto e oitavo do seu reinado, destinadas a esclarecer os propósitos da fundação e limites da cidade.
Infelizmente a erosão danificou muito do seu conteúdo e beleza mas é ainda possível apreciar um pouco da sua imponência, nas chamadas estelas A e na N.
Estela A
Estela N
Na verdade, as estelas fronteiriças são mais um dos tesouros de Amarna, talvez não tenham a beleza do famoso busto de Nefertiti, mas têm seguramente, para os apaixonados pelo Egipto Antigo, o encanto e a força anímica de um empreendimento colossal imaginado e concretizado por um Faraó com a coragem de ser diferente e, quem sabe, pioneiro no seu género.
Enviar um comentário